Jogando Golfe



Um casal estava jogando golfe num campo muito chique, margeado
por belíssimas mansões. Na terceira tacada o marido disse:
      - Querida, tome cuidado ao arremessar a bola; não vai mandá-la
  numa dessas casas e quebrar uma vidraça. Vai custar uma fortuna para
      consertar.
      Nem terminou direito a frase, ela deu a tacada e a bola vai
  direto para uma janela da maior casa da vizinhança. O marido se
  desespera:
      - Eu disse para tomar cuidado! E agora, como vai ser? Vamos até
  lá pedir desculpas e ver quanto vai ser o prejuízo.
      Eles batem à porta e ouvem uma voz: - Pode entrar.
      Eles abrem a porta e vêem vidro espalhado pelo chão e uma
garrafa quebrada perto da lareira.
      Um homem sentado no sofá diz:
      - Vocês são os que quebraram minha janela?
      - Sim. Sinto muito, e quero pagar o prejuízo - responde o  marido.
      - De jeito nenhum. Eu que lhes  agradeço.  Sou um gênio que
estava preso nesta garrafa por milhares de anos. Vocês me libertaram.
Posso
      conceder três desejos. E cada um tem direito a um desejo e
guardo o terceiro para mim.
      - Uau! Que legal! - diz o marido. - Quero um milhão de dólares
  por ano  pelo resto de minha vida.
      - Sem problema. É o mínimo que eu posso fazer. E você, o que
  gostaria de pedir? - diz o gênio olhando para a esposa.
      - Quero uma casa em cada país do mundo - ela responde.
      - Pode considerar seu desejo realizado - diz o gênio.
      - E qual é seu desejo, gênio? - o marido pergunta.
      - Bem, desde que fiquei preso nesta garrafa há milhares de anos
  não tive mais oportunidade de fazer sexo. Meu desejo é fazer sexo
com sua mulher.
      O marido olha para sua esposa e diz:
      - Bem, querida, nós ganhamos um monte de dinheiro e todas essas
  casas. Acho que ele não está pedindo muito.
      O gênio leva a mulher para o quarto e passa duas horas com ela.
  Depois de terminar, ao se vestirem, o gênio olha para ela e pergunta:
      - Quantos anos tem seu marido?
      - 35. - ela responde.
      - E ele ainda acredita em gênios? É espantoso!

Colaboração de Flávio Bonacordi